Arquivos do Blog

Ele nós amou primeiro

image

AMOR OU PAIXÃO?

“Tinha Absalão, filho de Davi, uma formosa irmã, cujo nome era Tamar. Amnom, filho de Davi, se enamorou dela” 
2Sm 13.1

Amar e estar apaixonado são a mesma coisa? Paixão é amor? Amor é paixão? Muitos acreditam que sim; eu entendo que não. O amor jamais acaba; a paixão é passageira. O amor é equilibrado; a paixão é descontrolada. O amor é altruísta; a paixão é egoísta. O amor traz leveza; a paixão produz tormento. O amor se concentra em agradar o outro; a paixão em satisfazer seus desejos. O amor produz deleite para a alma; a paixão tormento para o coração.

O drama de Amnom, filho do rei Davi, ilustra esse fato. Ele se apaixonou por sua meia-irmã Tamar, a ponto de emagrecer. Era um sentimento avassalador e incontrolável. Orientado por Jonadabe, fingiu-se de doente. Quando seu pai foi visitá-lo, requereu também uma visita de Tamar, pois disse que se ela lhe fizesse uma refeição especial, de sua mão a comeria. Quando Tamar entrou em seu quarto, levando-lhe o repasto, Amnom agarrou-a e forçou-a, a despeito de suas veementes súplicas.

Depois de satisfazer seu louco desejo, sentiu por ela profunda aversão, a ponto dessa aversão ser maior do que seu alegado amor. Amnom desonrou duplamente sua irmã: possuiu-a de forma violenta e desprezou-a em seguida de forma humilhante. O alegado amor que sentia por ela era um simulacro de amor. Não era amor; apenas uma paixão adoecida.

Referência para leitura: 2 Samuel 13.1-36
Fonte: Cada Dia

E agora ?

Olhares se cruzam; a pequena chama está acesa. A conversa, a princípio inocente, vai dando lugar as carícias. O desejo, quase incontrolável, afogueia o corpo dos apaixonados. Agora, o segurar das mãos não é o bastante. Os abraços são seguidos de beijos longos e apaixonados. Como a intimidade não tem volta, ela é cada vez mais crescente, dominadora, exigindo mais, abrindo as portas do “jardim fechado”, revelando sensações adormecidas, até acontecer o que parece inevitável. Eles se entregam um ao outro. Os dois seres são arrastados pela torrente irrefreável do prazer. Eles chegaram a um ponto que parece impossível de voltar. Na verdade, neste momento, eles não querem voltar. Eles não pensam em nada a não ser neste momento. Possuídos pelo desejo, eles consumam o ato. De repente tudo acaba, eles voltam a realidade. Sobressaltados, eles nem sabem o que fazer. E agora?

Eles se ajeitam o melhor que podem. Sem conseguirem se encarar, eles correm para casa e se trancam no banheiro. Num banho demorado, ela tenta lavar o que não poder ser limpo com água. Não há como negar que o que sentiram foi algo extraordinário. Mas, se o que eles fizeram foi tão maravilhoso, porque um sentimento estranho e incomodo desassossega os amantes? Porque dentro deles uma pequena voz importuna a consciência? Porque, como Adão e Eva, eles também desejam se esconder? Porque é tão difícil encarar os pais no outro dia? Porque aquilo que foi tão lindo, agora parece tão feio?

Os namorados se evitam. Eles sabem que se ficarem a sós por uns minutos tudo vai acontecer outra vez. Depois da primeira vez exercitar domínio próprio é dificílimo. Muitas opções inquietam o dia seguinte. O que fazer? Continuar transando? Alguém pode descobrir e ainda tem o risco de gravidez. Terminar o namoro? Nem pensar, eles se amam! Casar como? Eles ainda têm a faculdade. Contar para os pais? Qual vai ser a reação deles? De jeito nenhum, os pais são uns quadrados; eles nunca vão entender. Procurar um amigo? Onde encontrar este amigo que vai manter o segredo e que tem uma palavra salvadora? Confessar ao pastor? E se ele levar o fato ao conhecimento da igreja? E se ele simplesmente excluí-los da igreja? Aí todo mundo vai ficar sabendo.

O jeito é esconder. Mas no sermão de domingo
o texto lido não podia ser pior. “Aquele que esconde o seu erro ficará com seus ossos secos, mas o que confessa e deixa alcançará misericórdia”. Confessar a quem? A Deus, ao pastor, a igreja, um ao outro. Será que temos mesmo que confessar? Nossa entrega foi por amor! Simplesmente atendemos o chamado da própria natureza! Quem colocou este desejo dentro de nós foi o próprio Deus! Afinal, vamos nos casar! Além disto tudo, todo mundo faz! Porque só nos dois é que temos que nos controlar?

Seus argumentos são válidos e bem colocados. No entanto, dentro deles o desassossego permanece. Uma culpa crescente destrói-lhes a paz. Uma tristeza profunda aborrece os momentos que antes eram felizes. Um silêncio irritante os faz ouvir seus próprios pensamentos. E agora?

A decisão a ser tomada vai depender do quanto você está comprometido com Deus. Para quem vive sem Deus é muito normal transar. Eles simplesmente transam e pronto. A filosofia deles é: “viva e deixe viver”. Estas pessoas afirmam categoricamente. Nada é ruim se é bom para mim mesmo. Se engravidar faz um aborto e pronto. E daí se os pais descobrirem? Se der certo casamos, se não separamos! Minha consciência de nada me acusa! Não temos nenhuma satisfação a dar a sociedade! Cada um cuide da sua vida! Não dou o direito de ninguém se meter onde não é chamado!

Outras pessoas já conhecem a Deus, mas mesmo assim ainda não permitem que Deus controle todas as áreas de sua vida. Embora estas pessoas queiram fazer o que é certo, elas ainda continuam a fazer o que lhes agrada e domina. Elas procuram ter um relacionamento com Deus, mas elas vivem em altos e baixos. Conseguem não transar por algum tempo. Procuram a ajuda de Deus com veemência. Por alguns dias, elas conseguem vencer até caírem na mesma falta. As constantes quedas produzem cristãos fracos, raquíticos, anêmicos, com uma auto-estima doentia. Das duas uma, eles se conformam e continuam vivendo este tipo de vida ou se tornam hipócritas e aparentam viver aquilo que no fundo não vivem. Paralelamente a pública e supostamente santa vida cristã, eles vivem uma vida ambígua, deformada, e muitas vezes intolerante com o pecado os outros. Eles pecam, vivem como se não pecassem, e condenam os que pecam.

Em terceiro lugar, existem aqueles que sinceramente querem andar com Deus. Por mais que eles tenham milhares de argumentos válidos para se autojustificarem, eles reconhecem que pecado é pecado. Eles não são nem mais nem menos pecadores que todos os outros. A diferença é que estes não querem permanecer no pecado. Para eles o pecado é um acidente de percurso. Eles pecam porque são pecadores, mas eles não sentem prazer no pecado. Eles reconhecem que só existe uma maneira de lidar com o pecado. Vejamos um exemplo:

Ao soar a campainha, abro a porta sorridente. “Como vai Maria? Entre, o que posso fazer por você?” Pergunto eu olhando nos seus olhos já prevendo o pior. Maria foi criada na igreja e lidera os adolescentes. Seus pais também são líderes na igreja. Seu olhar triste e cabisbaixo revela que algo vai mal. Para ela é difícil falar; portanto eu faço tudo o que posso para não dificultar as coisas. Não quero tornar o assunto mais penoso para ela. Depois das primeiras palavras trôpegas e sussurrantes Maria confessa: “Pastor estou grávida, que vou fazer agora?” Maria não consegue controlar as lágrimas. Mesmo ouvindo histórias como esta durante todo o meu ministério, não consigo acostumar-me.

Meu coração de pastor se enche de amor por Maria. Com voz embargada e firme lhe digo: Maria você tem duas opções. A primeira delas é não fazer absolutamente nada. Ao confessar para mim, você está confessando para o próprio Deus. Deus ama você e certamente lhe perdoa. Pecado confessado é pecado perdoado. No entanto, seu estado vai se tornar público. Sua barriga vai crescer. Como você mesma sabe, as pessoas vão começar a criticar. Seus pais irão ficar chocados, tristes, e magoados, tanto com você quanto com aqueles que a acusarem. Alguns vão cobrar do pastor uma posição. Como você é líder na igreja, eles vão exigir que você não lidere mais e até seja disciplinada. Ou, eles irão me chamar de conivente, que aceito pecado dentro da igreja. A igreja vai sofrer com o disse-que-disse. Seus pais vão partir acertadamente para sua defesa. Eu sofrerei pressões de todos os lados. Você ficará mais ferida do que já está. Seu namorado por não ser da igreja, ficará tão chateado com estas atitudes dos crentes que provavelmente nunca mais pisará numa igreja.

Maria me olhou desconsolada e me perguntou: “Que outra opção eu tenho?”

Suspirei fundo e continuei. Você vai entrar no meu carro e vamos até a sua casa. Você vai confessar tudo para os seus pais. Eles ficarão atordoados, mas irão aceitar. Eu os conheço muito bem; eles a amam profundamente. Além disto, estarei ao seu lado todo o tempo para o que der e vier. Já que você quer se casar com seu namorado, diga aos seus pais que você não pode casar sem a bênção e o perdão deles. É impossível construir uma família saudável e feliz sem a comunhão das pessoas as quais amamos. Domingo você virá a igreja. Vou lhe chamar diante de todos juntamente com seus pais. Vamos falar abertamente o que aconteceu. Quem pode acusar aquele que confessa? Que acusador não ficará corado de vergonha diante dos seus próprios pecados e do Deus que conhece o que ocultamos dentro de nós? Pode ter certeza, eu vou protegê-la. Ninguém vai lhe acusar depois disto. Nenhuma culpa vai ficar na sua alma. Seu filho vai nascer de um ventre sem mágoas ou amarguras. Pode ter certeza que todos vão entender e ajudar.

Maria respondeu: “É assim que vou agir!” Fui madura o bastante para ficar grávida, vou ser madura o bastante para confessar e assumir o que fiz.

O encontro com os pais de Maria foi comovedor. Com coragem e firmeza ela abriu o coração. Eles se abraçaram, choraram, e acariciaram um ao outro. Emocionado os envolvi com meus braços e fiz uma oração de gratidão a Deus. Ele estava usando um acontecimento inesperado e trágico para restaurar e trazer cura, não só a Maria, mas a seus pais e a igreja.

No domingo lá estava Maria sentada ao lado dos pais no primeiro banco. No momento certo, os convidei ao altar. Passei meu braço por sobre os ombros de Maria. Com voz embargada me dirigi à congregação. Aqui está Maria. Todos a conhecem como membro e líder nesta igreja. Maria pecou! Ela está grávida e vai casar-se em breve. Maria procurou a mim e a seus pais. Ela não quer esconder nada. Ela não vai afastar-se da igreja. Muito pelo contrário, é exatamente neste momento crucial que Maria precisa de nossa ajuda. Quem aqui presente pode acusá-la? Somente aquele que não tiver pecado pode atirar a primeira pedra. Vamos continuar amando a Maria. Vamos fazer um “chá de bebê”. Vamos receber esta criança como uma dádiva de Deus. Maria vai casar e celebraremos este evento com alegria. Se alguém comentar, fofocar ou acusar Maria vai ter uma boa e franca conversa comigo.

A emoção contagiou o ambiente. A presença de Deus era real e abundante. Muitas pessoas cercaram Maria com carinho, lágrimas e solidariedade. Maria foi restaurada. Ela concebeu uma linda e robusta menina. Seu nome é Graça, que significa “presente que não merecemos”. Depois de um casamento foi memorável, o marido de Maria foi tocado profundamente pelo amor da igreja e se rendeu a Jesus. A igreja saiu fortalecida. Maria experimentou o poder transformador do perdão. O Evangelho de Jesus foi praticado e Deus ficou imensamente feliz com a atitude dos seus filhos.

Transar todos querem! Que transar é bom ninguém tem dúvida! O que fazer depois? Eis a grande questão. Tudo vai depender de você. A atitude que você toma no dia seguinte é fundamental. É esta atitude que vai determinar o seu futuro e felicidade. Você pode simplesmente tapar a voz da consciência, usando para isto a muita ocupação, a diversão, os vícios, e desculpas esfarrapadas, ou até mesmo com uma nova transa. Entretanto, este modo de agir produzirá angústia e tormento. Somente uma atitude honesta, sincera, e responsável vai conduzir você a verdadeira felicidade. Não tenham pressa. Seu maravilhoso e sublime momento de amor vai chegar. Esperem pela hora e pessoa certa. Não maculem seu futuro, carregando vida afora as marcas dos fantasmas do passado. Quando chegar o esperado e mágico momento, vocês descobrirão que ao invés de apenas transar, vocês estarão realmente fazendo amor, numa entrega por inteiro, sem traumas ou culpas, em completa e doce paz, casados e plenamente realizados.

Extraído do site do Pr. Silmar Coelho:  http://www.silmarcoelho.com

Crônicas da Igreja – Um relato da condição da igreja nos últimos dias

O Extremismo Político-Religioso Evangélico Parte II- A Jihad Evangélica e seus aiatolás.

Continuando o tema da crônica escrita na ultima quinzena, estava ansioso para escrever esse texto pois nos últimos quinze dias aconteceram fatos demonstrando exatamente o que eu falei, dando-me convicção e ânimo para seguir em frente com o mesmo tema. Tenho provas e argumentos suficientes para demonstrar que essa nova geração de evangélicos e principalmente os pentecostais são tão terroristas como a Jihad Islâmica, o Hamas, a Irmandade Muçulmana, o Fatah, o Talibã, a Al Qaeda, tendo ideais idênticos. Ainda não pegaram armas e promoveram atentados por que não acharam necessários, e porque senão nosso país se transformaria numa filial do Oriente Médio, com seus lideres que mais se parecem os aiatolás iranianos.

Sem sombra de dúvidas, o maior símbolo de todo fundamentalismo evangélico é o Pastor Marcos Feliciano, presidente da comissão de direitos humanos no congresso e sua interminável “guerra santa” contra os homossexuais. Em sua ambição pelo poder (http://noticias.gospelmais.com.br/marco-feliciano-candidato-senado-2014-jornalista-60706.html) com o apoio da cambada evangélica, induz os evangélicos cuja grande maioria é despolitizada assim como grande parte dos cidadãos brasileiros ao ódio, a intolerância, a luta contra os infiéis (pessoas não cristãs, com visões de mundos e crenças diferente dos evangélicos), sob o pretexto de estarem defendendo a família, a ética cristã, os interesses do Reino ( olha o tamanho da gravidade quando se fala uma coisa dessas) e lutando contra a perseguição ao Cristianismo.

Em tese a ideia se resume assim: atacamos para não sermos atacados, converteremos as pessoas a Cristo nem que seja a força. Perceberam alguma semelhança com o islamismo? Pois é, não é mera coincidência, é a Jihad Evangélica entrando em cena, fazendo guerra santa por Jesus! Quanta blasfêmia meu Deus!
Noticias divulgada pela internet e redes sociais noticiam que o Deputado Marco Feliciano fez campanha para retirar o vídeo do site Porta dos Fundos do ar, devido o fato da atriz ir ao ginecologista e lá descobrirem uma imagem de Jesus Cristo em sua vagina. Incomodado o pastor começou a fazer campanha para que o vídeo fosse retirado do ar (http://entretenimento.uol.com.br/noticias/redacao/2013/08/19/marco-feliciano-faz-campanha-para-retirar-video-do-porta-dos-fundos-do-ar.htm). Tá certo que se trata de um vídeo desrespeitoso, mas ai querer proibir é contra por entender que vivemos em um estado democrático de direito, com livre expressão de pensamento, político, religioso, intelectual, artístico, e se está afrontando Deus à pessoa que se entenda com Ele no dia do julgamento, pois quem somos nós para fazer justiça?

Grandes contribuições o aiatolá está trazendo para o evangelho no Brasil! A mesma atitude islâmica não somente dele, mas de muitos evangélicos é essa: mexeu com meu profeta (no caso Jesus), com o meu pastor, com a minha igreja eu vou pra guerra contra os infiéis.

A última pérola do Feliciano foi mandar prender duas lésbicas por se beijarem durante o culto, (http://noticias.gospelmais.com.br/marco-feliciano-manda-prender-ativistas-gays-beijaram-culto-60579.html) acirrando ainda mais a guerra satânica entre cristãos x homossexuais, vale lembrar que o mesmo é um dos que mais alimentaram a rivalidade nos últimos tempos, provocando escândalo de todos os lados. Quero afirmar desde já, que ninguém está certo nessa história, os dois lados estão errados, mas tal atitude demonstra tamanho autoritarismo, digna do tempo do regime militar, do catolicismo medieval, dos fariseus que mandavam prender qualquer um que não fossem do agrado deles, tal autoritarismo religioso mostra que a maioria desses líderes evangélicos são pessoas antidemocráticas e exercem lideranças extremamente ditatoriais, bastando ver como são as lideranças evangélicas neopentecostais e pentecostais onde a ultima palavra é a do pastor, o grande sacerdote cuja autoridade não pode questionada, mas nem em pensamento porque se trata do ungido do Senhor. Só não falam que Novo testamento existe somente um Mestre e líder que é o Messias, que o sacerdócio é universal, todos aqueles que creem em Cristo são ungidos do Senhor.

Em se tratando de uma pessoa que está em evidência, muitos cristãos e lideres imitam tais atitudes cumprindo a palavra que Pedro profetizou: “Muitos seguirão os caminhos vergonhosos desses homens e, por causa deles, será difamado o caminho da verdade 2 Pedro 2:2”.

A intolerância em relação à pessoa de outra crença (exemplificada nesse vídeo http://www.youtube.com/watch?v=mQpXk8HcOrY) no qual o pastor Caio Fabio comenta sobre “traficantes evangélicos” que oprimem e expulsam pessoas de outras religiões nas favelas do Rio de Janeiro, veja a que ponto chegamos!

Se for pra falar de Silas Malafaia &Cia ficaria até o fim de 2013 fazendo só crônica com esse tema, mas encerro por aqui e continuo na próxima com a terceira parte.
Então o Senhor lhe disse: “Vocês, fariseus, limpam o exterior do copo e do prato, mas interiormente estão cheios de ganância e da maldade”.
Insensatos! Quem fez o exterior não fez também o interior? Lucas 11:39-40

Ai de vocês, fariseus, porque dão a Deus o dízimo da hortelã, da arruda e de toda a sorte de hortaliças, mas desprezam a justiça e o amor de Deus! Vocês deviam praticar estas coisas, sem deixar de fazer aquelas.
“Ai de vocês, fariseus, porque amam os lugares de honra nas sinagogas e as saudações em público!
“ Ai de vocês, porque são como túmulos que não se veem, por sobre os quais os homens andam sem o saber! ” Lucas 11:42-44

“Quanto a vocês, peritos na lei”, disse Jesus, “ai de vocês também”! Porque sobrecarregam os homens com fardos que dificilmente eles podem carregar, e vocês mesmos não levantam nem um dedo para ajudá-los. Lucas 11:46
Ai de vocês, peritos na lei, porque se apoderaram da chave do conhecimento. Vocês mesmos não entraram e impediram os que estavam prestes a entrar! ” Lucas 11:52

Fabio Rodolpho

Versículo do dia

2 Samuel 22:19-20 NTLH

“Quando eu estava em dificuldade, eles me atacaram; porém o Senhor Deus me protegeu,  me livrou do perigo e me salvou porque me ama”.

Em meio a insegurança pessoal e social, há Um porto seguro ETERNO. Sejamos tementes, prudentes, sábios e humildes para não naufragarmos! Ótima semana!!!

Complicado…

image

Esse é o Metrô

14pm0

 

Realmente creio que eu estou produzindo o Fruto todos os dias 🙂

Versículo do dia

Não se vingue, nem guarde ódio de alguém do seu povo, mas ame os outros como você ama a você mesmo. Eu sou o Senhor . Levitico 19:18

O que tenho, isso te dou…

488082_443375302400520_1400083777_n

Versículo do dia

O ódio provoca brigas, mas o amor perdoa todas as ofensas. Provérbios 10:12

%d blogueiros gostam disto: